Reprodução: DW – Fonte: OTAN

Escrevo estas linhas panorâmicas sobre o conflito na sexta-feira pré-carnaval, que não é bem carnaval em função da pandemia, quando ainda não é possível prever os desdobramentos dos confrontos na Ucrânia. Tudo indica que Putin quer a desmilitarização da Ucrânia e a independência, que já reconheceu, das regiões ucranianas de Donetsk e Luhansk, onde já há conflitos comandados por separatistas pró-Rússia. Tolerará a permanência do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, o ator transubstanciado em político, que gostaria de incluir seu país na União Europeia e na Otan?

É surpreendente vermos GUERRA NA EUROPA nas manchetes em pleno 2022. Talvez seja ingenuidade imaginar que essa manchete está fora de lugar e de tempo. Os atores principais desta crise da Ucrânia são os mesmos daquela dos mísseis soviéticos em Cuba em 1962, quando as imagens predominantes ainda eram em preto e branco.

Veja também:

• Professores da USP estão escondidos em bunker improvisado em Kiev (Globonews, 25/2, 18h40)