Aparecida de Goiânia, conquistou o 3º lugar do Prêmio Educador Transformador

A Escola Municipal Terra Prometida, que fica no Parque Industrial Santo Antônio, venceu as etapas Estadual, Regional e Nacional

Da Redação
28/04/2024 - 16:11
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Aparecida de Goiânia, conquistou o 3º lugar do Prêmio Educador Transformador

Unidade do Ensino Fundamental foi campeã nas etapas Estadual e da Região Centro Oeste do Prêmio Educador Transformador

Com o tema “Meliponário na Escola: Protegendo as Polinizadoras e o Meio Ambiente”, a Escola Municipal Terra Prometida, em Aparecida de Goiânia, conquistou o 3º lugar do Prêmio Educador Transformador, promovido pelo Sebrae, Instituto Signficare e Bett Brasil.

A premiação que visa valorizar e divulgar projetos e educadores transformadores de todos os cantos do Brasil teve quase 3,5 mil inscrições.  O concurso premiou os melhores projetos pedagógicos de sete categorias diferentes realizados por escolas públicas e particulares de todo o Brasil.

A Escola Municipal Terra Prometida, que fica no Parque Industrial Santo Antônio, venceu as etapas Estadual, Regional e Nacional. A instituição concorreu na categoria primeira fase do Ensino Fundamental com o seu projeto “Meliponário na Escola: Protegendo as Polinizadoras e o Meio Ambiente”.

A unidade de ensino conquistou a 3º posição na etapa nacional do prêmio. “Nosso trabalho reúne aspectos pedagógico e social. Além de ser um projeto empreendedor, ele contribui com a conscientização das pessoas quanto à importância das abelhas na manutenção da vida no nosso planeta”, comentou a diretora da instituição escolar, Leomara Aquino.

Para a professora Wanessa Ranielle Rodrigues Trajano Costa, idealizadora do projeto, a premiação é um reconhecimento que abre portas para que a escola amplie a mensagem sobre a importância da proteção das abelhas sem ferrão no Brasil. “Descobrimos numa área que seria integrada à escola havia um ninho de abelhas jataí. Conversamos com o pessoal da obra e de forma segura levamos as crianças para conhecer o local. Todas ficaram encantadas e daí surgiu o projeto”, explica.

Premiação da Escola Municipal Terra Prometida (Foto: Divulgação)

Wanessa destaca que aos poucos foi quebrando paradigmas dos alunos que tinham medo, que acreditavam que todas as abelhas são perigosas e começaram um processo de conscientização.

“Nossas crianças, 450 ao todo, já estão se conscientizando da importância desse projeto por meio dos processos de aprendizagem, com a vivência do meliponário dentro da escola, e o prêmio vai nos ajudar a levar mais longe nossa mensagem para que as abelhas tenham proteção. Tratamos de vários temas com as crianças, desde a importância para o meio ambiente até a sustentabilidade econômica”, explicou.

Professa Wanessa (à esquerda) comemora conquista do projeto meliponário (Foto: Divulgação)

O projeto está inserido no planejamento educacional das crianças, nas aulas de ciências (como foco na polinização e a produção de alimentos), produção de texto na disciplina de Português, nas aulas de Matemática com elaboração de estatísticas e gráficos. Com apoio da escola, os professores escreveram um livro sob o ponto de vista do resgate das abelhas com informações científicas, mas de forma lúdica.

Dos projetos inscritos em Goiás, duas escolas municipais de Aparecida de Goiânia foram classificadas na etapa estadual. A Escola Municipal Joana Angélica Rissaris Paganin, no setor Santa Luzia, classificou-se na terceira posição na categoria Educação Infantil com o seu projeto “Colo com Leitura: a importância da família no mundo encantado dos livros”.

Meliponário

O meliponário é o local onde é criada uma colônia de abelhas sem ferrão, geralmente no formato de caixas retangulares de madeira. Na escola, o obrigo para abelhas foi construído no fundo da unidade escolar em espaço devidamente decorado com o objetivo de atrair o interesse das crianças.

O lançamento do espaço foi acompanhado pelos alunos e professores e também por pais da unidade escolar. As abelhas foram resgatadas dos escombros de uma casa demolida, cuja área passou a fazer parte do terreno da escola.

O projeto foi inserido ainda no Programa Agrinho, uma iniciativa do Governo do Estado voltado para as escolas das redes pública e privada, que buscam desenvolver atividades com vistas a estimular a melhoria da relação dos homens com o meio ambiente.