Banco Canadense dá calote de R$ 140 milhões na Petrobrás

Unidade de Industrialização do Xisto (SIX) fica em São Mateus do Sul (PR)

Da Redação
12/07/2023 - 08:53
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Banco Canadense dá calote de R$ 140 milhões na Petrobrás

A Petrobras informou a seus funcionários na segunda-feira (10) que o banco Forbes & Manhattan, do Canadá, não cumpriu o contrato firmado com a estatal para a compra da Unidade de Industrialização do Xisto (Six), em São Mateus do Sul, no Paraná. Por isso, a petroleira paralisou a operação da unidade, que estava em processo de transição.

O comunicado da Petrobras foi enviado ao Sindicato dos Petroleiros do Paraná e Santa Catarina (Sindipetro PR SC), que questionou a companhia acerca da paralisação.

:: Petrobras conclui polêmica venda de unidade de xisto semanas antes da troca de governo ::

A Six estava parada desde o final de maio para manutenção programada. Deveria ter voltado a operação na quinta-feira (6). Mas isso não ocorreu.

A paralisação da fábrica por conta de quebra de contrato foi noticiada pelo jornalista Leandro Demori em seu programa no canal do YouTube ICL Notícias e em sua newsletter.

A Petrobras concluiu a venda da Six e da Petrosix –tecnologia para extração óleo combustível das rochas de folhelho betuminoso– em novembro do ano passado, durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Tinha acordado com os compradores que manteria a operação da Six até que eles adquirissem capacidade para fazê-lo. Essa ajuda, porém, tinha um custo para eles.

Como o contrato não vem sendo cumprido, a Petrobras paralisou seus serviços. Os salários dos petroleiros estão assegurados pela estatal.

O coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, estima que a estatal tenha levado um calote de cerca de R$ 140 milhões. “É mais um escândalo que ocorre na SIX, onde a Petrobras estava prestando serviços para a Forbes & Manhattan, mas não estava sendo paga, o que demonstra a incapacidade financeira e operacional desse grupo que comprou a refinaria do Paraná na bacia das almas, com a ajuda de ex-gerentes da Petrobras”, criticou.

“Esse cenário de quebra de contrato do grupo canadense é mais uma base para agir juridicamente e reverter essa privatização”, acrescentou o advogado Angelo Remédio, que representa a FUP.

Histórico de problemas

Reportagem da Agência Pública publicada em fevereiro revelou que, em 2012, uma comissão interna de apuração da Petrobras investigou um possível vazamento de informações sigilosas sobre a Petrosix para a F&M. Por isso, desaconselhou futuros negócios com a F&M. Mesmo assim, a estatal vendeu a SIX à companhia.

Segundo a Petrobras, a venda está em consonância com resolução do Conselho Nacional de Política Energética e integra o compromisso firmado pela Petrobras com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para a abertura do setor de refino no Brasil.

A recomendação da Petrobras tem a ver com suspeitas sobre a suposta venda de informações da Petrosix para a F&M sem o consentimento da empresa. O negócio envolveu do pai da juíza Gabriela Hardt, trabalhou com Sergio Moro na Lava Jato. O engenheiro químico Jorge Hardt Filho trabalhou na Six.

Edição: Rodrigo Durão Coelho – BdF, foto: – Divulgação/Petrobras