Banco dos BRICS destina U$S 1 bilhão em projetos do governo federal e US$ 120 milhões em Aparecida de Goiânia

O Banco dos BRICS liberou este ano US$ 120 milhões para obras em Aparecida de Goiânia

Da Redação
22/12/2023 - 10:28
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Banco dos BRICS destina U$S 1 bilhão em projetos do governo federal e US$ 120 milhões em Aparecida de Goiânia

O Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) anunciou nesta quinta-feira, 21, que já fez a transferência de US$ 1 bilhão para as contas do governo do Brasil. O dinheiro foi para o Tesouro da União e se refere ao empréstimo firmado em outubro pelo governo federal com o chamando Banco dos BRICS. O banco, presidido pela ex-presidenta da República Dilma Roussef, liberou neste ano empréstimo no valor de US$ 120 milhões (cerca de R$ 585 milhões) para a prefeitura de Aparecida de Goiânia, para obras de infraestrutura no município.

“Trabalhamos duro para tentar atender às necessidades dos países membros do NDB”, disse a presidenta do banco, Dilma Rousseff. “O banco atua para para reduzir as desigualdades, promover o desenvolvimento sustentável e a cooperação baseada no espírito do verdadeiro multilateralismo”.

Os recursos liberados — o equivalente a aproximadamente R$ 5 bilhões — são do empréstimo contratado em outubro por Dilma e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, no Marrocos. A operação atende a um pedido do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A assinatura ocorreu no país africano porque Dilma e Haddad participavam de encontro promovido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pelo Banco Mundial.

 

Dilma recebeu a comitiva de Aparecida em Xangai, na China eenfatizou aos secretários Einstein Paniago (Fazenda), Felismar Martins (Indústria e Comércio) e o deputado estadual Veter Martins, que o projeto de Aparecida de Goiânia terá prioridade ante outras dez propostas de diferentes nacionalidades e será o primeiro aprovado em sua gestão. Foto: Divulgação Secom

Banco dos Brics

Segundo Dilma, desde sua criação, o NDB apoiou 94 projetos de investimento direto em cada um dos cinco países membros — Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul —, além dos outros sócios que ingressaram posteriormente: Egito, Emirados Árabes Unidos e Bangladesh. Esses projetos correspondem a investimentos totais de US$ 33,8 bilhões. O banco ainda tem um portfólio de 78 projetos para 2023 e 2024 que totalizam outros US$ 18,9 bilhões.

Do total de projetos aprovados pelo banco, desde que foi criado, há oito anos, o NDB destinou aproximadamente US$ 6,1 bilhões ao Brasil, financiando 21 projetos no país. No início de dezembro, quando anunciou novos empréstimos no valor total de US$ 1,7 bilhão, no Rio de Janeiro, ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma disse que, apenas na sua gestão, ao longo de 2023, foram aprovados US$ 2,8 bilhões ou 45% dos recursos destinados ao país desde 2015. Os recursos vão ser utilizados em projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável.

“Alguns dos projetos tiveram o sinal verde do banco lá atrás, mas o governo de ocasião não se interessou em obter os recursos. Agora, com o presidente Lula, isso mudou. O Brasil voltou a procurar recursos no NDB, como membro-fundador”, afirma a presidenta do NDB.

No dia 6 de dezembro, Dilma esteve na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) assinando dois contratos de captação no valor de R$ 8,5 bilhões, dos quais US$ 500 milhões são para projetos de combate às mudanças climáticas e US$ 1,2 bilhão voltados a investimentos em infraestrutura sustentável. O contrato foi firmado em cerimônia que contou com a presença do presidente Lula.

“O NDB é produto de uma discussão que começa no governo do presidente Lula a respeito da posição que os países do Sul Global teriam de ter no plano internacional”, lembrou Dilma, na ocasião. “O NDB é um banco especial: é feito por países em desenvolvimento e economias emergentes para os países em desenvolvimento e economias emergentes. Foi feito por países do Sul Global para países do Sul Global. O foco do NDB é investir em desenvolvimento, que só existe se for sustentável e inclusivo”.

Com Assessoria do NDB