Brasileiros criam carro que roda 400 quilômetros com 1 litro de etanol

0
399

Apenas 1 litro de etanol para andar impressionantes 400 quilômetros: essa é a marca que deverá ser alcançada pela equipe Pato a Jato com seu protótipo supereconômico, formada por 18 estudantes da sede de Pato Branco da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Parte do pessoal vai para Detroit, nos EUA, participar do evento Shell Eco-marathon, que desafia estudantes de países da América a projetar veículos com altíssima eficiência energética.

É o segundo ano seguido que a turma do interior do Paraná participa do evento, que permite protótipos que utilizem bateria, gasolina, diesel, hidrogênio, gás natural ou, no caso da categoria de que os brasileiros participarão, combustíveis alternativos, como o etanol. Em 2015, os estudantes conseguiram o segundo lugar em seu respectivo grupo, com a marca de 316 quilômetros rodados utilizando apenas um litro de etanol.

Desta vez, o Popygua, como é chamado o protótipo, vai em uma versão “2.0”: com 13 quilos a menos que no ano passado, ele agora pesa apenas 37 kg, é feito inteiramente em fibra de carbono e pode chegar aos 400 quilômetros com 1 litro do combustível. Mateus Sérgio Rizzi, capitão do time, explica: “O anterior era de fibra de vidro. Também fizemos alterações no motor, para alcançar mais eficiência”.

Mesmo antes do evento, o planejamento para uma versão ainda melhor já começou. “A maioria das equipes utiliza motores adaptados. Já começamos os estudos para a construção de um nosso. O processo é mais complexo, mas, quando tudo ficar pronto, devemos dar um salto bem significativo”, diz Mateus, já de olho nos eventos que vão acontecer daqui a alguns anos.

O Shell Eco-marathon 2016 acontece nos dias 22 e 24 de abril.

Desta vez, o Popygua, como é chamado o protótipo, vai em uma versão “2.0”: com 13 quilos a menos que no ano passado, ele agora pesa apenas 37 kg, é feito inteiramente em fibra de carbono e pode chegar aos 400 quilômetros com 1 litro do combustível. Mateus Sérgio Rizzi, capitão do time, explica: “O anterior era de fibra de vidro. Também fizemos alterações no motor, para alcançar mais eficiência”.

Mesmo antes do evento, o planejamento para uma versão ainda melhor já começou. “A maioria das equipes utiliza motores adaptados. Já começamos os estudos para a construção de um nosso. O processo é mais complexo, mas, quando tudo ficar pronto, devemos dar um salto bem significativo”, diz Mateus, já de olho nos eventos que vão acontecer daqui a alguns anos.

O Shell Eco-marathon 2016 acontece nos dias 22 e 24 de abril.

TecMundo