Câmara Federal: Nikolas e Boulos são os mais votados, em Goiás, Silvye fica na frente

PT e PL tem as maiores bancadas no Congresso Nacional

Da Redação
03/10/2022 - 08:39
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Câmara Federal: Nikolas e Boulos são os mais votados, em Goiás, Silvye fica na frente

O candidato que teve a maior votação para deputado federal nesta eleição foi o vereador de Belo Horizonte, Nikolas Ferreira (MG) pelo PL. Com apenas 26 anos, Ferreira conquistou 1,47 milhão de votos. É o terceiro deputado mais votado da história da Câmara, atrás dos deputados Eduardo Bolsonaro (PL-SP), com 1,84 milhão de votos, em 2018, e Enéas Carneiro, que em 2002 conquistou 1,57 milhão de votos.

Nikolas Ferreria é formado em Direito e foi o segundo vereador mais votado em Belo Horizonte e coordena o movimento Direita Minas, divulgado nas redes sociais.

A segunda maior votação em 2022 para deputado federal, com mais de 1 milhão de votos ficou com Guilherme Boulos (Psol-SP). Boulos é professor, psicanalista e ativista membro da Coordenação Nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto. Foi candidato a prefeito de São Paulo e ficou em segundo lugar em 2020.

Em Goiás a mais votada foi a ex-apresentadora do Cidade Alerta, da TV Record-GO Silvye Alves (UB), com 254.583 votos.

O partido do presidente Jair Bolsonaro (PL) consolidou nestas eleições a posição de maior bancada da Câmara dos Deputados, com crescimento dos 76 deputados atuais para mais de 95. Em segundo lugar está a federação PT-PCdoB-PV, com pelo menos 80 parlamentares eleitos.

Neste momento, o Tribunal Superior Eleitoral contabiliza 99,99% dos votos apurados, mas ainda falta consolidar as bancadas de deputados federais de três estados: Amazonas, Paraná e Piauí.

Polarização
Esse cenário repete a polarização política iniciada em 2018, quando o PT elegeu 54 deputados e o PSL, então partido do presidente Jair Bolsonaro, 52.

O PL tem atualmente 76 deputados e, em segundo lugar, está a federação entre PT, PCdoB e PV, que tem 68.

Já o PSL se uniu ao DEM e se tornou União Brasil, que hoje tem 51 deputados e tem a 4ª maior bancada.

Fragmentação
A fragmentação partidária continua sendo uma marca do sistema político-eleitoral brasileiro, embora novas regras venham diminuindo ao longo do tempo o número de partidos com representação.

Em 2018, saíram das urnas deputados de 30 partidos diferentes, número que foi reduzido para 23 na composição atual da Câmara. Após as federações e as eleições de 2022, haverá 20 partidos com representação na Câmara dos Deputados.

Atuação parlamentar
O tamanho das bancadas é fundamental na atuação parlamentar. As presidências das comissões e as vagas na Mesa Diretora são definidas a partir da proporcionalidade partidária, ou seja, as maiores legendas ou blocos ocupam os cargos mais importantes da Casa.

A composição da Casa também tem impacto direto na governabilidade do presidente eleito, já que ele terá de negociar a votação das pautas prioritárias com as legendas.

Financiamento
O tamanho das bancadas também tem impacto direto no financiamento dos partidos, pois a maior fatia dos recursos do Fundo Partidário é repartida entre os partidos de acordo com a votação para deputado federal.

Bancadas maiores também recebem mais recursos do fundo especial que financia as campanhas eleitorais e do tempo de televisão.

Justiça Eleitoral
Os resultados finais deste domingo poderão ser alterados em decorrência de eventuais recursos decididos pela Justiça Eleitoral. O Judiciário analisa ações sobre abuso do poder econômico e político nas eleições, ou se o candidato registrado de fato tem todos os requisitos para exercer o cargo.

Com informações da Agência Câmara de Notícias