Derrota para o time feminino do Tocantins revela o pesadelo para o Tigrão continuar na A3

Jogo de volta da fase de mata-mata no Brasileiro Feminino na A3 não traz um bom retrospecto para o Vila Nova (GO)

Da Redação
24/05/2024 - 10:03
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Derrota para o time feminino do Tocantins revela o pesadelo para o Tigrão continuar na A3

Derrota para equipe de município tocantinense, que nem possui estádio de futebol em sua cidade com condições de abrigar uma partida, pode ser sinal do pesadelo do Vila Nova em jogo contra o Ação do MT nas quartas de final do Brasileiro Feminino A3.

O jogo de volta da fase de mata-mata no Brasileiro Feminino A3 não traz um bom retrospecto para o Vila Nova (GO) que enfrenta, neste sábado (25), o Ação (MT), também num jogo de volta, só que dessa vez nas quartas de final. Se compararmos o desempenho da fase anterior, quando o Vila venceu em casa o Paraíso EC (TO), por 1 a 0, e perdeu o segundo jogo, fora de casa, por 3 a 2, mas se classificou nos pênaltis, a equipe goiana entrará em campo como zebra. Isso porque vem de derrota para a equipe do Mato Grosso.

Vale ressaltar que a confiança das meninas do Vila Nova foi abalada logo nas oitavas de final quando encarou o Paraíso EC, uma equipe promissora que leva o nome do município do Tocantins ,com a 5ª maior população do estado, mas que mesmo sem uma estrutura mínima para treinar e jogar venceu um clube com tradição e história. Na partida em que jogou como mandante, o Paraíso FC não pôde jogar em casa por seu estádio, o Pereirão, não ter condições de abrigar a partida na sua cidade, uma vergonha para o futebol local. Com isso, o jogo ocorreu na cidade Pugmil (TO), com pouco mais de 2 mil habitantes, mas que aparentemente possui uma gestão municipal mais comprometida com o esporte.

Perder não foi o problema. O problema do Vila Nova é ser uma equipe que vem de uma cidade que investe no esporte e perder de um time que vem de uma cidade que não acreditou e não investiu no potencial da equipe. O Paraíso EC (TO), mostrou um futebol sólido e que pode dar muito trabalho se a Prefeitura de Paraíso valorizar a prata da casa e incentivar as atletas que honraram o nome do município na cena do futebol nacional.

Para uma vitória do Vila Nova neste sábado, as atletas da equipe goiana deveriam se inspirar nas meninas do Paraíso EC, que mesmo sem apoio deram o sangue dentro de campo e conquistaram uma vitória sob um time com estrutura e apoio local.