Goiás alcança 98,59% de vacinação contra aftosa

Dados estão registrados no Sistema de Defesa Agropecuária de Goiás e são resultado das declarações apresentadas pelos agropecuaristas na última campanha realizada no Estado. A partir de 2023 a vacinação será suspensa

Da Redação
27/12/2022 - 11:15
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Goiás alcança  98,59% de vacinação contra aftosa

O Governo de Goiás, por meio da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), divulga os números da última campanha de vacinação contra febre aftosa no Estado, que alcançou índice vacinal de 98,59%. No total foram vacinados 23.583.366 bovinos e bubalinos de todas as idades, de um total estimado em 23,9 milhões de cabeças.

 

Esta foi a última etapa de imunização do rebanho contra febre aftosa, já que a partir de 2023 a medida será suspensa, conforme decisão já anunciada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

 

Iniciada no dia 1º de novembro e concluída no dia 17 de dezembro, a segunda etapa de 2022 abrangeu também a vacinação contra a raiva de bovinos, bubalinos, equídeos, caprinos e ovinos, em 121 municípios considerados de alto risco para a doença.

 

Conforme registros do Sidago, foram vacinados 11.969.479 animais (bovinos, bubalinos, equídeos, caprinos e ovinos), atingindo índice de vacinação semelhante ao alcançado na imunização contra aftosa.

 

Novo patamar

 

O resultado da campanha é fruto do esforço do Governo de Goiás junto aos pecuaristas, com suas entidades representativas e atuação efetiva dos profissionais da área agropecuária, em especial da equipe da Agrodefesa. O Estado está há 26 anos sem registro de focos de aftosa.

 

“Goiás ultrapassou a meta de vacinação estabelecida pelo Mapa, que é superior a 90%. Atingimos 98,59%, indicando, portanto, que nosso rebanho está protegido e preparado para a retirada da vacina em 2023. Estamos prontos para esse novo patamar sanitário no segmento da pecuária”, enfatizou José Essado, presidente da Agrodefesa.