Haaretz, maior jornal judeu afirma: “Netanyahu é responsável por essa guerra entre Israel e Gaza”

Não há diferença entre o Hamas e o Governo de extrema direita de Israel: ambos são entidades terroristas

Da Redação
13/10/2023 - 05:25
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Haaretz, maior jornal judeu afirma: “Netanyahu é responsável por essa guerra entre Israel e Gaza”

Não há diferença entre o Hamas e o Governo de extrema direita de Israel: ambos são entidades terroristas.

 

Segue traduzido o editorial do jornal israelense Haaretz:

 

Netanyahu é responsável por esta guerra Israel-Gaza.

O desastre que se abateu sobre Israel no feriado de Simchat Torá é da clara responsabilidade de uma pessoa: Benjamin Netanyahu.

O primeiro-ministro, que se orgulha da sua vasta experiência política e da sua sabedoria insubstituível em questões de segurança, falhou completamente na identificação dos perigos para os quais conduzia conscientemente Israel ao estabelecer um governo de anexação e desapropriação, ao nomear Bezalel Smotrich e Itamar Ben-Gvir a posições-chave, ao mesmo tempo que adotava uma política externa que ignorava abertamente a existência e os direitos dos palestinos.

Netanyahu certamente tentará fugir à sua responsabilidade e lançar a culpa nos chefes do Exército, da Inteligência Militar e do Serviço de Segurança Shin Bet que, tal como os seus antecessores nas vésperas da Guerra do Yom Kippur, viam uma baixa probabilidade de guerra. Eles desprezaram o inimigo e as suas capacidades militares ofensivas. Nos próximos dias e semanas, quando o avanço das Forças de Defesa de Israel e as falhas de inteligência vierem à tona, certamente surgirá uma exigência justificada para substituí-las e fazer um balanço.

No entanto, o fracasso militar e de inteligência não isenta Netanyahu da sua responsabilidade global pela crise, uma vez que ele é o árbitro final dos assuntos estrangeiros e de segurança israelenses. Netanyahu não é novato neste papel, como Ehud Olmert foi na Segunda Guerra do Líbano. Nem é ignorante em assuntos militares, como afirmaram Golda Meir em 1973 e Menachem Begin em 1982.

Netanyahu também moldou a política adotada pelo efêmero “governo de mudança” liderado por Naftali Bennett e Yair Lapid: um esforço multidimensional para esmagar o movimento nacional palestino em ambas as suas alas, em Gaza e na Cisjordânia, a um preço que parecem aceitáveis para o público israelense.

 

No passado, Netanyahu apresentou-se como um líder cauteloso que evitou guerras e múltiplas baixas do lado de Israel. Após a sua vitória nas últimas eleições, ele substituiu esta cautela pela política de um “governo pleno de direita”, com medidas evidentes tomadas para anexar a Cisjordânia, para levar a cabo a limpeza étnica em partes da Área C definida pelos Acordos de Oslo, incluindo as colinas de Hebron e o vale do Jordão.

Isto também incluiu uma expansão massiva dos assentamentos e o reforço da presença judaica no Monte do Templo, perto da Mesquita de Al-Aqsa, bem como alarde de um acordo de paz iminente com os sauditas, no qual os palestinos não receberiam nada, com conversas abertas sobre uma “segunda Nakba” na sua coligação governamental.

Como esperado, os sinais de uma eclosão de hostilidades começaram na Cisjordânia, onde os palestinos começaram a sentir a mão mais pesada do ocupante israelense. O Hamas aproveitou a oportunidade para lançar o seu ataque surpresa no sábado. Acima de tudo, o perigo que paira sobre Israel nos últimos anos foi plenamente compreendido.

Um primeiro-ministro indiciado em três casos de corrupção não pode cuidar dos assuntos de Estado, pois os interesses nacionais estarão necessariamente subordinados a libertá-lo de uma possível condenação e pena de prisão. Esta foi a razão para o estabelecimento desta horrível coligação e do golpe judicial promovido por Netanyahu, e para o enfraquecimento dos altos funcionários do exército e dos serviços de informação, que eram vistos como opositores políticos. O preço foi pago pelas vítimas da invasão no Neguev Ocidental.