Jogador de vôlei que ameaçou dar tiro em Lula é afastado do Cruzeiro

O Cruzeiro repudiou “qualquer ato que possa significar incitação à violência e esclarece que NÃO COMPACTUA DE MANEIRA ALGUMA” com as recentes publicações do atleta nas redes

Da Redação
01/02/2023 - 20:45
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Jogador de vôlei que ameaçou dar tiro em Lula é afastado do Cruzeiro

Após internautas reagirem nas redes sociais colocando entre as palavras mais comentadas do Twitter “Wallace” e “demissão”, o Sada Cruzeiro anunciou na tarde desta terça-feira (31) o afastamento por tempo indeterminado do jogador de vôlei Wallace Leandro. Já Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) enviou o caso para o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Até o início da tarde de ontem, tanto o Cruzeiro quanto a CBV haviam apenas divulgado nota lamentando e pedindo desculpas à torcida pelo crime praticado pelo jogador que publicou, em seus stories do Instagram, uma enquete sugerindo dar um “tiro na cara” do presidente Lula (PT).

O clube mineiro, maior campeão da Superliga Masculina de Vôlei, tomou a decisão nomfim do dia porque também foi pressionado pelo principal patrocinador, o Grupo Sada. O afastamento é “por tempo indeterminado”, disse a direção em nota.

“Dentro do que cabe ao patrocinador master do Sada Cruzeiro, foi definido o afastamento do atleta por tempo indeterminado, e exigidos a plena retratação e pedido público de desculpas”, diz trecho da nota.

O Cruzeiro repudiou “qualquer ato que possa significar incitação à violência e esclarece que NÃO COMPACTUA DE MANEIRA ALGUMA” com as recentes publicações do atleta nas redes sociais”. O clube ainda exige a “plena retratação e pedido público de desculpas” do jogador. “Permanecemos atentos aos desdobramentos legais deste lamentável episódio e novas medidas serão estudadas”, diz a nota.

A CBV comunicou que, também nesta terça-feira, que “o caso foi encaminhado ao STJD, órgão autônomo e independente, para que a procuradoria avalie possíveis infrações cometidas pelo atleta com base no CBJD”.

A entidade reiterou “que repudia qualquer tipo de violência ou incitação a atos violentos, incompatíveis com os valores de respeito e igualdade que norteiam o esporte”.

Com a repercussão e do risco de investigação, o jogador bolsonarista apagou a postagem e voltou às redes sociais para se desculpar. Ele afirmou que não teve “a intenção de incitar violência ou ódio”.

“Quem me conhece sabe que eu jamais incitaria violência, em hipótese alguma, principalmente ao nosso presidente. Então, venho aqui pedir desculpas, foi um post infeliz que eu acabei fazendo. Errei”, disse o atleta em vídeo no Instagram.