Manifestações bolsonaristas perdem força em Goiás e no Brasil

Em Aparecida, vendo poucos gatos pingados no CEL da OAB-GO, Bolsonaro rifou o Professor Alcides

Da Redação
17/11/2023 - 20:26
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Manifestações bolsonaristas perdem força em Goiás e no Brasil

A diminuição da participação em manifestações de apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro, observada nas ruas durante o feriado de 15 de novembro, ou no lançamento da pré-candidatura do professor Alcides, em Aparecida de Goiânia, estão sendo  percebidas também no ambiente online.

Um estudo realizado pela consultoria Quaest, que analisou postagens em redes sociais e aplicativos de mensagens sobre o assunto, revelou que a presença dos seguidores de Bolsonaro na esfera virtual, neste último dia 15, foi inferior em comparação a protestos anteriores. Com informações do O GLOBO.

Conforme as informações apresentadas, a média de referências ao tema foi de 50 mil, um valor consideravelmente inferior ao registrado em manifestações do ano anterior. Em eventos como os de 7 de setembro de 2022, por exemplo, a média atingiu 316 mil menções no dia das manifestações.

“Bolsonaro deve estar com o sinal amarelo ligado. Um dos pilares mais importantes de sua estratégia política era a mobilização convocada nas redes e apresentada nas ruas. O “DataPovo” parece ter sofrido um baque importante depois do 8 de Janeiro. Com o Supremo atuando para inibir movimentos antidemocráticos, o bolsonarimo mais ativo e mais radical está acuado”, avalia o diretor da Quaest, Felipe Nunes.

Mico com Professor Alcides em Aparecida

No começo de outubro, Bolsonaro atribuiu a diminuição da audiência em um evento contra o aborto na capital mineira aos efeitos dos protestos de 8 de janeiro.

Pouca gente no evento do Professor Alcides, que tinha como estrela o ex-presidente Bolsonaro

No final de outubro (28/10) Bolsonaro esteve no CEL de Aparecida, na festa de aniversário de 70 anos  do Professor Alcides Ribeiro (PL). A expectativa do aniversariante era de que o ex-presidente lançasse a sua pré-candidatura a prefeitura de Aparecida, porém o evento micou. Vendo poucos gatos pingados no clube da OAB-GO, Bolsonaro, irritado falou:

“Não estamos lançando ninguém candidato a prefeito”, disparou Bolsonaro, para espanto do anfitrião, o professor Alcides.

Atos vazios

Bolsonaristas em número cada vez menor

A reduzida presença em manifestações de rua da ala conservadora acontece em sequência às penalizações impostas aos envolvidos nos ataques golpistas de 8 de janeiro. Até agora, o Supremo Tribunal Federal (STF) proferiu condenações contra 25 indivíduos envolvidos na depredação dos edifícios dos três Poderes em Brasília.

Na última quarta-feira, foram convocadas manifestações em pelo menos 13 capitais: Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Goiânia, Natal, Florianópolis, Cuiabá, Fortaleza, Recife, Belo Horizonte, Vitória e Salvador. Em São Paulo, os apoiadores de Bolsonaro se reuniram na frente do prédio da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) — por volta das 13h, cerca de cem pessoas estavam presentes no local, exibindo cartazes críticos ao STF e ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

No Rio de Janeiro, o grupo se congregou na Avenida Atlântica, na Praia de Copacabana. Uma intervenção da Guarda Municipal na orla resultou em tumulto com os manifestantes, e um deles se lançou à frente de uma viatura. Em Brasília, por sua vez, aproximadamente 200 pessoas participaram do ato. O grupo realizou uma caminhada no Eixo Rodoviário, com uma parada em frente ao Banco Central, onde discursos foram proferidos.

Os políticos alinhados a Bolsonaro não demonstraram o mesmo nível de envolvimento na convocação dos atos, como era comum em ocasiões anteriores. No ano passado, em 15 de novembro, apoiadores extremistas de Bolsonaro bloquearam completamente a Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio, marcando o início da instalação de acampamentos em frente a instalações militares em várias partes do país.

Com agências