Milhares de judeus protestam contra Netanyahu em Tel Aviv

Principal reivindicação é a libertação dos reféns ainda em poder do Hamas, por meio de troca por prisioneiros palestinos, mas novas eleições também estão na pauta dos manifestantes

Da Redação
30/03/2024 - 23:12
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Milhares de judeus protestam contra Netanyahu em Tel Aviv

Principal reivindicação é a libertação dos reféns ainda em poder do Hamas, por meio de troca por prisioneiros palestinos, mas novas eleições também estão na pauta dos manifestantes

 

Milhares de pessoas protestaram neste sábado (30) em Tel Aviv, Israel, contra o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. A principal reivindicação é a libertação dos reféns ainda em poder do Hamas, por meio de troca por prisioneiros palestinos mantidos em Israel, mas novas eleições para a formação de um novo governo também estão na pauta dos manifestantes.

Organizado por parentes na já chamada “Praça dos Reféns”, o protesto foi reprimido pela polícia, mas os organizadores garantem que, na semana que vem, pretendem chegar até o Knesset, o parlamento do país, em Jerusalém.

“Na próxima semana iremos nos mudar para Jerusalém, em frente ao Knesset, onde terá lugar a luta pela libertação dos reféns”, disseram em comunicado.

Leia também: Brasil elogia Corte Internacional por exigir medidas de Israel em Gaza

Aviva Siegel, uma mulher israelense resgatada do enclave palestino na última troca de prisioneiros, disse durante a manifestação que Netanyahu precisa parar de tratar as negociações “como se fossem brincadeira de criança”. “Você não pode trazer de volta a delegação do Qatar sem um acordo”, afirmou ao jornal Times of Israel, lembrando, ainda, que não sabe se o seu marido, ainda refém, está vivo.

 

Enquanto isso, Benjamin Netanyahu deu o aval, na sexta-feira (29), para que uma delegação negocie no Cairo uma troca de reféns com o Hamas.

Dados mais atualizados apontam que 32,5 mil pessoas morreram e outras 75 mil estão feridas após 175 dias de guerra na Faixa de Gaza. Esse número não inclui os 8 mil corpos que as autoridades locais de Gaza estimam estarem sob os escombros de prédios bombardeados por Israel.