Mundo Novo quer reconhecimento para exportar melancia

Propriedade rural de Mundo Novo recebe acompanhamento de fiscais da Agrodefesa com vistas à exportação de melancia

Da Redação
28/08/2023 - 10:42
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Mundo Novo quer reconhecimento para exportar melancia

Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) fez levantamento fitossanitário da praga Anastrepha grandis em cultivo de melancia, em uma propriedade rural de Mundo Novo.

O foco é obter o reconhecimento do município no combate à praga e com isso possibilitar a exportação da fruta.

A gerente de Sanidade Vegetal da Agrodefesa, Daniela Rézio, ressalta que, para o reconhecimento de novos municípios no Sistema de Mitigação de Risco (SMR), o produtor interessado deve realizar levantamentos fitossanitários por período mínimo e ininterrupto de seis meses.

O período deve ser acompanhado por um Responsável Técnico (RT) habilitado pela Agrodefesa. Após os seis meses, a Agência elabora um projeto com os dados obtidos e encaminha ao Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), que possui a decisão final.

MELANCIA

Atualmente, Goiás possui o reconhecimento oficial de 16 municípios aptos à exportação:

Carmo do Rio Verde

Itapuranga

Jaraguá

Uruana

Rio Verde

Maurilândia

Santa Helena de Goiás

Cristalina

Ipameri

Goianésia

São Miguel do Araguaia,

Edealina

Luziânia

Nova Crixás

Rubiataba

Porangatu

Neste ano de 2023, além de Mundo Novo, o município de Jussara está em fase de reconhecimento. Goiás é o terceiro maior produtor de melancia do País – atrás de Rio Grande do Norte e São Paulo

É o oitavo em exportação da fruta, de acordo com dados da Radiografia do Agro em Goiás, publicação da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa).

Por ano, são produzidas mais de 227 mil toneladas no estado, em uma área de quase 5,5 mil hectares. Em relação à exportação, Goiás registrou quase 2,3 mil toneladas em 2021, segundo dados do Agrostat, do Mapa, com volume de US$ 108,1 mil.

FITOSSANIDADE

De acordo com o presidente da Agrodefesa, José Ricardo Caixeta Ramos, o trabalho de fitossanidade resulta em maior produção e produtividade em campo, além de competitividade para a fruticultura goiana e qualidade do produto que chega à população.

“Quando adotamos as medidas e os controles corretos, conseguimos evitar a proliferação de pragas e doenças que podem prejudicar as lavouras e causar prejuízos econômicos para produtores e municípios. Com isso, produzimos frutas de qualidade para consumo interno e exportação”, enfatiza.