Mutirão contra a dengue em Aparecida quer recolher 12 mil pneus até sexta-feira

A previsão é de recolher mais de 12 mil pneus descartados irregularmente até sexta-feira, 16. A ação visa reforçar a prevenção e o combate a focos do mosquito transmissor da dengue por toda a cidade.

Da Redação
14/12/2022 - 17:17
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Mutirão contra a dengue em Aparecida quer recolher 12 mil pneus até sexta-feira

A previsão é de recolher mais de 12 mil pneus descartados irregularmente até sexta-feira, 16. A ação visa reforçar a prevenção e o combate a focos do mosquito transmissor da dengue por toda a cidade.

 

Em mais um mutirão de combate ao mosquito Aedes Aegypti, transmissor de doenças como a dengue, chikungunya e zika, a coordenadoria de Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Aparecida realiza um mutirão para recolhimento de pneus nestas quarta, quinta e sexta-feira, 14, 15 e 16 de dezembro. As ações visam evitar o surgimento e destruir criadouros já existentes do mosquito e fazer a destinação sustentável do material recolhido, que é encaminhado para a empresa Reverso Reciclagem de Pneus Ltda.

“Começando hoje a partir da região leste de Aparecida, do Vale do Sol, nosso pessoal realiza mais uma ampla varredura na cidade com a expectativa de recolher cerca de 12 mil pneus descartados ou armazenados incorretamente nas borracharias, oficinas, vias públicas, praças e lotes baldios. Esse é um trabalho de rotina desenvolvido o ano inteiro, faça chuva ou faça sol, mas que intensificamos nesses mutirões para proteger a comunidade, que precisa colaborar e fazer a sua parte”, afirma o secretário de Saúde Alessandro Magalhães.

Grave risco ambiental

A superintendente de Vigilância em Saúde, Daniela Fabiana Ribeiro, informa que a empreitada envolve mais de 30 profissionais, além de oito veículos utilitários e dois caminhões no recolhimento de carcaças que representam um grave risco para a Saúde Pública e o meio ambiente por levarem mais de 5 séculos para se decompor. “E também não podemos nos esquecer que a água parada contida num pneu é como uma perfeita maternidade para o Aedes Aegypti”, adverte a gestora.

A SMS orienta que, além da importância da contribuição de cada pessoa para o combate ao mosquito, mantendo os imóveis sem quaisquer reservatórios de água parada, a população também pode auxiliar na proteção à cidade solicitando o serviço de coleta de pneus pelo telefone 3545-4819.

O coordenador de Vigilância Ambiental, Iron Pereira, que gerencia e acompanha as ações, destaca que os levantamentos feitos em Aparecida apontam que os pneus são “o terceiro principal criadouro do mosquito transmissor da dengue e armazenam água parada em qualquer posição que sejam deixados. O perigo é ainda maior no período chuvoso, quando aumentam os locais propícios para que as fêmeas do Aedes depositem seus ovos. Até minúsculas tampinhas de plástico representam um risco”.

Alerta permanente

De acordo com o mais recente boletim da SMS, referente à semana epidemiológica 43, em 2022 já foram notificados 24.714 casos de dengue na cidade, o que representa um acréscimo de 118% no número de notificações em comparação com 2021. “Esses números explicam porque o prefeito Vilmar Mariano determina que nós, profissionais da Saúde Municipal, fiquemos o ano inteiro permanentemente em alerta e porque repetimos incansavelmente que todas as pessoas, das crianças aos idosos, devem contribuir com o enfrentamento ao Aedes Aegypti”, enfatiza o coordenador Iron Pereira.

Ele complementa reforçando que a população precisa cuidar das residências e estabelecimentos tirando cerca de 10 minutos por semana para verificar seus imóveis e impedir que recipientes como garrafas, copos, latas, vasos de plantas e pneus armazenem água da chuva, além de manter as calhas limpas e as caixas d’água cobertas: “A participação social é indispensável. A SMS faz ações educativas o ano inteiro em CMEIS, unidades de Saúde e até em empresas para orientar a comunidade. Cada um de nós deve fortalecer essa mobilização em seu grupo familiar e de convivência”.