Nova subvariante da ômicron pode gerar outra onda de covid-19 no Brasil

Brasil vê aumento de casos e internações relacionados à pandemia. Subvariante BQ.1, possivelmente mais contagiosa, circula pelo país

Da Redação
08/11/2022 - 13:15
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Nova subvariante da ômicron pode gerar outra onda de covid-19 no Brasil

Especialistas alertam que o Brasil vive o início de uma nova onda da covid-19. A Organização Mundial da Saúde (OMS) mantém estado de alerta. Agora, o Brasil volta a ver aumento de casos e internações relacionados à pandemia. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) explica que a maior circulação do vírus, esperada para o próximo período, tem relação com a circulação de uma subvariante BQ.1 da ômicron no país. Estados como Rio de Janeiro, Amazonas e Rio Grande do Sul já detectaram o vírus.

Além de possívelmente mais transmissível, a nova variante chega em meio ao fim das medidas de controle do covid-19. Então, de acordo com o cenário, especialistas sugerem a retomada do uso de máscaras em lugares fechados. Soma-se a isso a proximidade com o fim de ano, com aglomerações associadas a movimentações de férias e festas.

Subvariante em circulação

A Fiocruz anunciou o primeiro caso da subvariante no país na última sexta-feira (4), no Rio de Janeiro. Hoje, a Secretaria Municipal de Saúde confirmou a informação. Nos últimos 15 dias, o número de internados aumentou de 14 para 44. A maioria das pessoas que necessitam de cuidados médicos ou não se vacinou, ou não tomou as doses de reforço. Dos internados na capital fluminense, 98% não tomaram as quatro doses.

Além disso, preocupa o aumento da transmissão entre crianças. Dos 44 internados no Rio de Janeiro, 12 são crianças. Cientistas argumentam a necessidade de manter a vigilância sanitária em alerta. O aumento de casos não é perceptível apenas no Brasil. A Europa vive um aumento de casos e internações desde outubro, possivelmente relacionados com a subvariante da ômicron.

Pelo mundo

Não se trata de um alarme tão elevado como nas ondas anteriores, quando as mortes chegaram a ultrapassar as 3 mil diárias no Brasil. Contudo, permanece o alerta. “Ainda que não estejamos na mesma situação que passamos há um ano, está claro que a pandemia de covid-19 não acabou. Infelizmente, vemos os indicadores subirem de novo na Europa, o que sugere o início de uma nova onda de infecções”, afirmou o Centro de Controle e Prevenção de Doenças da Europa (ECDC) em comunicado do dia 17 de outubro.

A principal estratégia, além do uso de máscaras em lugares fechados, é reforçar a importância da vacinação. Nas últimas ondas de impacto da covid-19, a Europa antecipou a explosão de impactos no Brasil em cerca de três meses. “A potencial cicirculação da covid-19 e da gripe colocará pessoas vulneráveis em maior risco de sofrer com doenças graves e morte, com um provável aumento da pressão sobre hospitais e profissionais de saúde, já esgotados por quase três anos na linha de frente da pandemia”, completa o ECDC.

Também em outubro, no dia 27, a OMS divulgou comunicado sobre a subvariante BQ.1. No texto, a entidade destaca que as vacinas seguem conferindo boa proteção contra o vírus. Contudo, ressaltou a importância da distribuição de vacinas mais modernas (bivalentes), produzidas, sobretudo, durante este ano, que possuem como alvo principal a variante ômicron. “Baseado nas mais recentes evidências, as subvariantes em maior circulação não divergem muito de outras linhagens da ômicron (…) De acordo com o que sabemos, a proteção conferida pelas vacinas seguem reduzindo maior impacto e maior gravidade da doença”.

Com informações da Rede Brasil Atual