PF desarticula quadrilha especializada em roubo de cargas e caminhões

O grupo criminoso usava mulheres (integrantes do grupo e alvos de mandados de prisão nesta data), que se passavam por funcionárias de empresas interessadas na contratação de fretes, marcando pelo aplicativo o ponto de encontro

Da Redação
14/12/2023 - 15:44
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

PF desarticula quadrilha especializada em roubo de cargas e caminhões

A Polícia Federal e o GAECO/SP, com o apoio da Polícia Militar do Estado de São Paulo, deflagraram na manhã  desta quinta-feira, 14/12, a Operação Aboiz, com o objetivo de desarticular uma associação criminosa voltada para o roubo de cargas, caminhões e sequestros de caminhoneiros nos municípios dos estados de São Paulo e Minas Gerais

Ao todo, 100 policiais federais e 100 policiais militares dão cumprimento a 15 mandados de prisão temporária (30 dias, prorrogáveis por mais 30) e 25 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela 2ª Vara da Justiça Estadual em Valinhos, SP.

Os mandados, que tem por alvos 11 homens e quatro mulheres, estão sendo cumpridos nas cidades de Osasco e São Paulo, Capital.

A investigação começou em outubro de 2023, a partir de informações colhidas sobre um grupo criminoso que agia  na região de Valinhos, interior de SP, tendo por ponto de partida um roubo de carga ocorrido na cidade de Valinhos, SP, no dia 22/09/2023.

O grupo criminoso usava mulheres (integrantes do grupo e alvos de mandados de prisão nesta data), que se passavam por funcionárias de empresas interessadas na contratação de fretes, marcando pelo aplicativo o ponto de encontro. Ao  chegarem no local, os caminhoneiros eram recepcionados por essas mulheres e roubados por elas e seus comparsas.

Durante o cativeiro, os criminosos além de darem destinação a veículos, realizavam saques e transferências via PIX e gravavam vídeos de suas vítimas (motoristas e algumas esposas que os acompanhavam), enviando-os a familiares, exigindo o pagamento de altos valores em dinheiro para os libertarem.

Os investigados responderão, dentre outros, pelos crimes de associação criminosa, roubo, furto e extorsão mediante sequestro, cujas penas somadas podem ultrapassar 30 anos de reclusão.

Haverá entrevista na sede da Delegacia de Polícia Federal em Campinas (Rua Dr. Antonio Alvares Lobo, 620, Bairro Botafogo), às 10h15.

Quadrilha de matadores

A Polícia Federal, com o apoio da Polícia Militar e do Ministério Público do Estado de São Paulo, deflagrou quinta-feira,14/12, a Operação Irrestrita, com o objetivo de desmantelar célula de uma organização criminosa voltada para a prática de homicídios contra rivais e terceiros, bem como compra e venda de armas de fogo ilegais.

Cerca de 150 policiais federais, com apoio da PM/SP, cumprem 16 mandados de busca e apreensão, três mandados de prisão preventiva no estado de São Paulo.