PF prende golpistas em Rondônia

Ainda de acordo com a Polícia Federal, “alguns dos envolvidos que possuíam licença de CAC

Da Redação
18/12/2022 - 12:57
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

PF prende golpistas em Rondônia

Uma operação da Polícia Federal (PF) em Colorado Oeste, Rondônia, prendeu quatro pessoas, dentre elas um policial militar da reserva, por “associação criminosa” para organizar atos golpistas após vitória de Lula na eleição presidencial deste ano. Cerca de 50 policiais participaram da chamada Operação Eleutéria e, além das prisões, foram apreendidas nove armas e 300 unidades de munição de variados calibres, bem como seis telefones, segundo matéria publicada neste sábado (17) pelo UOL.

A operação foi criada após denúncias feitas por comerciantes, caminhoneiros e autônomos de coação pelos líderes dos atos golpistas, “pessoas inconformadas com o resultado da eleição”, segundo a Polícia Federal. A PF acrescentou que algumas pessoas foram obrigadas a fechar o comércio e estudantes tiveram prejudicado o acesso a escolas para dar apoio aos golpistas. Houve também o impedimento da passagem de caminhões tanque, dificultando o abastecimento de veículos com limitação na quantidade de combustível. “Foi constatado que comerciantes foram obrigados a demonstrar apoio à manifestação.”

Dezesseis anos de cana

Ainda de acordo com a Polícia Federal, “alguns dos envolvidos que possuíam licença de CAC (Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador) tiveram sua autorização suspensa e o respectivo armamento e munições foram recolhidos.” Os envolvidos podem ser acusados de associação criminosa, constrangimento ilegal, coação no curso do processo, crimes contra a relação de consumo e contra a atuação do Ministério Público. Somadas, as penas podem resultar em até 16 anos de reclusão.

Na quinta-feira (15), a Polícia Federal cumpriu 81 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Supremo Tribunal Federal, por conta dos bloqueios de rodovias realizados em atos antidemocráticos após a proclamação do resultado das eleições. As medidas foram cumpridas nos estados do Acre, Amazonas, Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e no Distrito Federal.