Policial civil do RJ que investigava milicianos é assassinada na porta de casa

Ministro da Justiça determina que PF ajude nas investigações. "Terrível crime cometido contra a policial Vaneza Leão", disse Flávio Dino

Da Redação
25/11/2023 - 16:35
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Policial civil do RJ que investigava milicianos é assassinada na porta de casa

Ministro da Justiça determina que PF ajude nas investigações. “Terrível crime cometido contra a policial Vaneza Leão”, disse Flávio Dino

A Policial Militar Vaneza Lobão, de 31 anos, foi morta na porta de casa na noite desta sexta-feira (24), na Rua Passo da Pátria, em Santa Cruz, Zona Oeste da Cidade do Rio.

Vaneza era lotada na 8ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) e trabalhava no setor de inteligência da delegacia, dedicada à investigação de milicianos e contraventores. A unidade é subordinada à Corregedoria-Geral da Polícia Militar.

De acordo com informações preliminares, os assassinos já aguardavam a policial no momento em que ela abria a garagem para entrar com seu carro, segundo informa o G1. De acordo com o relato da PM, criminosos armados atiraram contra a policial na porta da casa dela e fugiram. Ela foi morta com tiros de fuzil disparados por bandidos encapuzados, que estavam em um carro preto.

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, lamentou a morte e afirmou que a resposta deve ser rápida e dura.

“Há indícios que sejam milicianos que ela investigava. Ela fazia parte da nossa Corregedoria”, comentou o governador.

No início da tarde deste sábado, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, lamentou a morte da policial e disse que a Polícia Federal vai ajudar no caso.

“Lamentamos o terrível crime cometido contra a policial Vaneza Leão, no Rio de Janeiro. Minha solidariedade à família e aos colegas da corporação. Orientei a Polícia Federal a ajudar nas investigações, de competência das autoridades estaduais”, afirmou o ministro.

Nas redes sociais, a irmã mais velha de Vaneza se manifestou.

“Eu morri, morri quando me disseram que você se foi! Você sempre será o amor da minha vida, minha filha, minha melhor amiga, a sua lealdade com os seus jamais será esquecida. Covardia, revolta, é o que meu coração sangra. Daria minha vida para você viver em meu lugar”, disse a nutricionista Andreza Lobão.

O Disque Denúncia oferece recompensa de R$ 5 mil por informações que ajudem a identificar os suspeitos do crime.

A Delegacia de Homicídios e a 2ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) foram acionadas.

Desde o início do ano, 52 agentes de segurança foram mortos no Rio de Janeiro. De acordo com o Disque Denúncia, entre os mortos, 46 eram policiais militares.

Na madrugada deste sábado (25), durante diligências para tentar localizar os suspeitos do crime, a PM prendeu um miliciano no loteamento Madean, em Santa Cruz. Uma arma foi apreendida com o criminoso, mas a polícia diz que ainda não é possível confirmar se ele participou do assassinato de Vaneza.