População indígena de Goiás mais que dobra, nos últimos 12 anos

O total no Brasil é de 1.693.535, distribuídas por 4.832 municípios. Em pelo menos 222 dos 246 municípios goianos, uma pessoa se declara indígena

Da Redação
08/08/2023 - 12:07
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

População indígena de Goiás mais que dobra, nos últimos 12 anos

A população indígena de Goiás passou de 8.583 para 19.522, nos últimos 12 anos. Isso representa um crescimento de 127%, desde a última contagem, em 2010. Os dados foram divulgados pelo Censo Demográfico 2022 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na segunda-feira (07/08).

A quantidade de pessoas que se declaram indígenas no estado representa 0,28% dos habitantes. O total no Brasil é de 1.693.535, distribuídas por 4.832 municípios. Em pelo menos 222 dos 246 municípios goianos, uma pessoa se declara indígena. As maiores populações estão em:

  • Goiânia (4.028 pessoas), Aparecida de Goiânia (1.082 pessoas), Águas Lindas de Goiás (943 pessoas), Luziânia (908 pessoas), Cidade Ocidental (778 pessoas), Anápolis (752 pessoas), Valparaíso de Goiás (583 pessoas), Formosa (537 pessoas), Trindade (520 pessoas), Aragarças (488 pessoas) e Aruanã (451 pessoas).

O governo federal, por meio da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) e da Secretaria de Saúde Indígena (Sesai), é o responsável direto pela elaboração e implementação de políticas públicas para os povos originários. No entanto, essa população recebe também toda a atenção do Governo de Goiás, que trabalha na preservação das tradições e promoção do bem-estar.

BENEFÍCIOS VOLTADOS À POPULAÇÃO INDÍGENA DE GOIÁS

Goiás tem hoje três comunidades indígenas aldeadas: os Tapuias (nos municípios de Rubiataba e Nova América), os Yny Karajá (Aruanã), e os Avá-Canoeiro (Minaçu). Os que não vivem em aldeias estão espalhados por vários municípios, incluindo a capital, que tem a União dos Indígenas Residentes em Goiânia (Unirg).

O programa Mães de Goiás beneficia 53 indígenas mães de crianças de zero a seis anos de idade, que recebem mensalmente R$ 250 para aquisição de alimentos e medicamentos. Outros 32 indígenas da etnia Yny Karajá foram contemplados com o Crédito Social, totalizando R$ 89,7 mil destinado à aquisição de equipamentos para produção de artesanato, após terem feito o curso Artesanato em Cerâmica, oferecido pela Secretaria da Retomada.

Um novo grupo, de Tapuias, está cursando Processamento de Derivados do Leite e Processamento de Derivados da Mandioca. Eles também serão beneficiados com o Crédito Social para a compra de equipamentos utilizados na produção dos itens que estão aprendendo a fazer e colocar à venda.

SERVIÇOS

Expedições da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Seds) nas aldeias levam serviço de registro civil para a confecção de documentos de identificação, suprimentos às famílias, como cestas básicas e cobertores, em parceria com a OVG, e orientações para inscrição no Cadastro Único (CadÚnico).

A Seds possui a Gerência de Articulação e Promoção de Direitos Indígenas, que atua no apoio de ações e na busca ativa de parcerias com entidades dentro e fora da estrutura do governo estadual.

Eventos como os realizados nas edições do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica), na cidade de Goiás, com a Tenda Multiétnica, têm promovido a interculturalidade. A programação contou com apresentações de filmes sobre os povos originários, exposições fotográficas, feira de livros e comercialização de produtos.

Na aldeia Carretão, em Rubiataba, professores indígenas realizam atividades culturais, incluindo atividades típicas dos Tapuias, como a corrida com tora, grafismos indígenas e contação de mitos indígenas. O Governo de Goiás também investe na oferta de escolas exclusivas para os povos originários, nas quais os professores pertencem à comunidade indígena.

São três: Colégio Estadual Indígena Cacique José Borges, em Rubiataba; Colégio Estadual Indígena Maurehi, em Aruanã; e o colégio Estadual Indígena Aldeia Avá-Canoeiro, em Minaçu. Além disso, pela primeira vez, foi realizada a inclusão dos povos originários no Conselho Estadual da Igualdade Racial e Combate ao Preconceito (CEDHIRCOP-GO), com garantia de assento exclusivo de seus representantes, sendo um titular e um suplente.