Restauração do Santuário Nossa Senhora Aparecida está quase concluído

Igreja representa o marco inicial da cidade e rememora características históricas do seu centenário

Da Redação
20/03/2024 - 06:00
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Restauração do Santuário Nossa Senhora Aparecida está quase concluído

Igreja representa o marco inicial da cidade e rememora características históricas do seu centenário

Nesta terça-feira, 19, o prefeito de Aparecida de Goiânia, Vilmar Mariano, e os secretários Marcos Alcântara (Cultura), Vanilson Bueno (Relações Institucionais) e Rosildo Manoel (executivo do Centenário) realizaram visita ao Santuário Paróquia Nossa Senhora Aparecida, símbolo histórico e cultural da cidade. As obras de restauração da igreja, iniciadas no ano passado, estão 70% concluídas. Os 102 anos da igreja serão celebrados no dia 11 de maio, também aniversário da cidade.

Fico muito feliz de chegar aqui e conferir a evolução dessa obra tão importante para a cidade. Foi aqui onde tudo começou em 1922. O Santuário representa o marco inicial do nosso município e, claro, o lugar onde as pessoas expressam sua liturgia e fé. E essa restauração se fez necessária para preservar toda sua estrutura colonial e histórica para as presentes e futuras gerações”, afirmou o prefeito Vilmar.

Aprovado pelo Iphan, o projeto contempla a restauração das características físicas e patrimoniais da igreja, observando elementos necessários à preservação da edificação, melhorias na parte elétrica, hidráulica, estrutural e de conservação. Para realizar todas as intervenções foram realizados estudos dos aspectos históricos, artísticos, ambientais e antrópicos que influenciam o estado de conservação da igreja.

“Sendo a mais antiga igreja da cidade, notamos a importância da cultura neste lugar, onde demonstra a fé do povo de Aparecida. E esse restauro rememora uma relevância para a cidade, uma vez que está sendo dedicada a preservação das características históricas do município e que vai dar uma nova vida ao templo”, afirmou o secretário municipal de Cultura, Marcos Alcântara.

O Santuário Paróquia Nossa Senhora Aparecida, localizado na Praça Matriz, chama a atenção com detalhes em branco e azul e sua estrutura colonial erguida pelo carpinteiro João Batista de Toledo. A construção do monumento começou em 1922 e a primeira missa presidida em seu interior aconteceu há cerca de 100 anos, em 1924. Em frente à igreja ainda está preservada a cruz de aroeira cravada pelos seus fundadores.

A expectativa é de que as intervenções de restauração sejam concluídas até junho deste ano, conforme contrato com a Marsou Engenharia, empresa responsável pela obra. Na restauração do Santuário está sendo aplicado investimento de R$ 2,2 milhão, proveniente de emendas parlamentares dos deputados federais Professor Alcides e Francisco Júnior e recurso próprio da Prefeitura.

Reitor do Santuário, o Frei Ednilson Vaz, ressalta que a obra é também a restauração de um sonho. “Essa é a primeira vez que a igreja é verdadeiramente restaurada. E os estudos preliminares comprovam a necessidade de restauração. Portanto, estão sendo restaurados a história, a vida e a memória de um povo. Um sonho que está se concretizando com fé, esperança e gratidão. E estou muito feliz por participar desse momento do nosso Santuário e da nossa cidade”.

Leonan Borges, responsável pela gestão de contratos da prefeitura com as empresas, afirma que a obra vai garantir sobrevida à estrutura predial.  “É uma obra de restauro e não de reforma. A igreja é um bem tombado e para isso foi necessário a contratação de empresas para fazer projetos preliminares, restauro e arqueologia. Já estamos com 70% da obra concluída, faltando apenas alguns projetos preliminares, a parte de acabamento e elétrica. E o Santuário restaurado vai continuar sendo um marco ainda mais forte na paisagem e na história de Aparecida”, afirmou.

Reconhecida como Monumento Histórico e Cultural pela Lei nº 564, de 16 de dezembro de 1985, a igreja colonial conta com uma estrutura de alvenaria de tijolo maciço-adobe e elementos em madeira-aroeira, incluindo o piso. Suas características arquitetônicas não apenas narram o passado, mas proporcionam uma viagem única às origens do município, revelando a devoção e a arte que moldaram a comunidade ao longo do tempo.