Saúde mantém telemedicina para pacientes com sintomas gripais e de dengue

Da Redação
02/04/2022 - 09:36
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Saúde mantém telemedicina para pacientes com sintomas gripais e de dengue

O acesso ao serviço é pelo aplicativo Saúde Aparecida das 8h às 18h de segunda a sexta-feira e também pode ser feito pelo site da Prefeitura clicando no link. Depois, é só aguardar a ligação do médico no dia e hora marcados

Em atividade desde 3 de janeiro deste ano, o atendimento por telemedicina via aplicativo Saúde Aparecida para pessoas com síndromes gripais e suspeita de dengue continua em atividade com capacidade atual diária para mais de 50 vagas. A Secretaria Municipal de Saúde de Aparecida (SMS) conclama todas as pessoas que têm sintomas gripais e de dengue, zika vírus e chikungnya, tais como febre, coriza, tosse, dor de cabeça e no corpo, prostração, dores musculares e nas juntas, dentre outros, para que busquem orientação utilizando o serviço.

A iniciativa foi lançada após a abertura das 40 Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) da cidade para atender, desde 29 de dezembro de 2021, sem necessidade de agendamento prévio, a pacientes com essas características, para desafogar as cinco unidades de urgência e emergência do município (UPAS’s Flamboyant, Buriti Sereno e Brasicon e os Cais Nova Era e Colina Azul).

Na época, esses postos registravam aumento de 32% na procura por atendimento médico de pacientes da cidade e também vindos de outros municípios, inclusive da Região Metropolitana de Goiânia.*Circulação viral intensa*“Não estamos mais num momento crítico da pandemia da covid-19, mas ainda temos grande demanda devido às síndromes gripais e aos casos suspeitos de dengue, por isso mantemos o serviço de telemedicina para essas situações, embora com menos vagas que antes, quando ofertávamos cerca de 300 por dia. Graças à nossa rede estruturada, às escalas médicas completas em todos os turnos, aos exames laboratoriais e de imagem e à alta qualidade das nossas equipes, Aparecida é referência em Saúde Pública em Goiás e atrai gente de outros municípios, até mesmo da Região Metropolitana, ainda mais nesse tempo de circulação viral intensa”, destaca o secretário de Saúde Alessandro Magalhães.

Síndromes respiratórias

A superintendente de Vigilância em Saúde, Daniela Fabiana Ribeiro, frisa a importância do serviço: “Mesmo com uma redução significativa neste março dos casos de síndromes gripais (SG) e de síndromes respiratórias agudas graves (SRAG’s) em Aparecida, em comparação com janeiro e fevereiro, a situação é de alerta permanente para nós. Neste mês já constatamos 540 casos de SG, além de 15 SRAG’s relacionadas à covid que precisaram de internação, com 6 óbitos. Quanto às SRAG’s com outros vírus, foram contabilizados 9 casos. Então, em caso de suspeita, é essencial buscar orientação profissional para que não haja agravamentos e até mortes evitáveis”.

Alerta contra a dengue

Sobre a dengue, a superintendente alerta: “Comparando com 2021, tivemos em 2022 um aumento de mais de 400%, atualmente temos 4.300 casos notificados e 7 óbitos em investigação. Quanto à chikungunya, temos 32 casos confirmados, sendo 5 em crianças e 27 em adultos de 20 a 50 anos. Estamos atentos, as equipes da Vigilância em Saúde estão atuando em toda a cidade e monitorando o cenário local minuciosamente. Quem tem suspeita da doença deve procurar a telemedicina ou ir até uma UBS o quanto antes. ”

Como acessar o serviço

Murillo Moraes, coordenador médico da SMS, explica que “o aplicativo oferta o serviço de telemedicina para que as pessoas que tenham sintomas gripais ou de dengue possam fazer sua marcação de atendimento com mais comodidade. Após o agendamento, o usuário já sabe o dia e a hora em que receberá a ligação de um médico que fará uma consulta de telemedicina para passar orientações, e, se preciso for, já providenciará o encaminhamento para uma unidade de saúde”.

Suporte de 45 unidades

“Esse serviço contribui para desafogar a rede de urgências e emergências tratando casos leves e simples que podem ser conduzidos de forma remota pela telemedicina. Já os casos mais severos e com risco de agravamento deverão ser encaminhados às UPAS’s e aos CAIS’s. Temos, no total, 45 unidades para atender presencialmente no que for necessário e a telemedicina pode, ao mesmo tempo, minimizar danos e desconfortos para os pacientes”, acrescenta o superintendente de Atenção à Saúde Gustavo Assunção.