Secretaria de Saúde do Estado quer ampliar assistência à saúde das pessoas trans

Governo de Goiás planeja ampliar o atendimento especializado às pessoas que já passaram ou ainda estão no processo de afirmação de gênero para unidades estaduais

Da Redação
31/01/2023 - 09:47
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Secretaria de Saúde do Estado quer ampliar assistência à saúde das pessoas trans

Como em todo dia 29 de janeiro,  celebra-se o Dia Nacional da Visibilidade Trans. Neste ano, o Governo de Goiás planeja ampliar o atendimento especializado às pessoas que já passaram ou ainda estão no processo de afirmação de gênero para unidades estaduais no Sudoeste Goiano e no Entorno Norte do Distrito Federal.

Por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES) a rede estadual já oferece serviços específicos às pessoas trans no Hospital Alberto Rassi (HGG), em Goiânia, e nos Ambulatórios Regionais de Itumbiara e de Senador Canedo.

A Subcoordenação de Atenção à Saúde da População LGBT, que integra a Superintendência de Saúde Mental e Populações Específicas, planeja, executa e acompanha o desenvolvimento das ações para o atendimento integral e específico aos transgêneros.

A subcoordenadora Bianca Lopes Rosa informa que a SES-GO tem atuado de forma incisiva para garantir que as pessoas trans sejam inseridas, na Rede de Atenção à Saúde, no processo de afirmação de gênero para acompanhamento clínico adequado.

“Apesar dos desafios ainda existentes para ampliação do acesso, a disponibilização de todas essas ações, além de assegurar o direito à saúde dos transgêneros também possibilitam melhores condições de saúde mental e dignidade para essas pessoas”.

Cirurgias

Atualmente, estão em pleno funcionamento o Serviço Especializado do Processo Transexualizador do Hospital Estadual Geral de Goiânia Dr. Alberto Rassi (HGG), totalmente financiado pela SES-GO; o Ambulatório do Processo Transexualizador Regionalizado de Itumbiara, cofinanciado pela SES-GO; e o Ambulatório Regionalizado do Processo de Afirmação de Gênero de Senador Canedo, que está em processo de credenciamento para receber os recursos do Estado.

A Subcoordenação de Atenção à Saúde da População LGBT, que integra a Superintendência de Saúde Mental e Populações Específicas, planeja, executa e acompanha o desenvolvimento das ações para o atendimento integral e específico aos transgêneros

No HGG, é realizado o acompanhamento psicossocial e clínico, pré e pós-cirúrgico, e cirurgias por equipe multiprofissional e interdisciplinar, composta por médicos ginecologista, urologista, cirurgião plástico e psiquiatra, além de psicólogo.

O personal trainer Caleb Costa Novais, de 35 anos, paciente do HGG, conta que está satisfeito com o atendimento médico e psicossocial que recebe na unidade hospitalar.

“As pessoas que não têm conhecimento sobre os serviços para afirmação de gênero devem procurar se informar sobre a questão. É importante fazer um tratamento seguro, com um processo de transição bem acompanhado”, sugeriu.

Os ambulatórios de Itumbiara e Senador Canedo, responsáveis pelo atendimento nas Regiões Sul e Centro-Sul do Estado, desenvolvem assistência na modalidade ambulatorial de acompanhamento psicossocial. O acompanhamento é realizado por equipe multiprofissional e interdisciplinar, com ênfase na saúde mental e, ainda, clínico para hormonização.

Ampliação

A SES, conforme relata Bianca Lopes Rosa, tem procurado ampliar a capacidade ambulatorial respaldada em resoluções firmadas pela Comissão Intergestores Bipartite (CIB) que preveem o cofinanciamento das ações.

“Temos a intenção de possibilitar o atendimento ambulatorial a todas as pessoas transexuais do Estado de Goiás, o mais próximo possível de seus domicílios”, pontua a subcoordenadora.

Ela adianta que estão em processo de adesão e estruturação os Ambulatórios do Processo Transexualizador nas Regiões Sudoeste e Entorno Norte, em municípios a serem definidos e com o cofinanciamento da SES, pactuados na CIB. “Essa ampliação visa garantir o acesso pleno à saúde e à cidadania como direito constituído”, destaca a subcoordenadora.