Trabalhadoras e trabalhadores da Educação estão cada vez mais esgotados

VIVENDO PERIGOSAMENTE Falta de valorização, de reconhecimento e pressão cotidiana tornam professor/a profissão de risco

Da Redação
11/05/2023 - 06:32
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Trabalhadoras e trabalhadores da Educação estão cada vez mais esgotados

Falta de valorização, de reconhecimento e pressão cotidiana tornam professor/a

 

Não bastasse as salas superlotadas, a falta de estrutura para exercer a profissão e os desafios inerentes a ela, a pressão que a extrema-direita impôs ao trabalho de professores e professoras, com a perseguição ideológica, fez com que a atuação dos 2,2 milhões de profissionais responsáveis por lecionar na educação básica no país se tornasse ainda mais difícil.

Segundo pesquisa da Inteligência em Pesquisa e Consultoria Estratégica (Ipec), realizada com 6.775 pessoas das escolas públicas municipais e estaduais entre julho e dezembro de 2022, 71% dos trabalhadores e trabalhadoras à frente das salas de aula estão estressados pela sobrecarga de trabalho.

O levantamento aponta que o trabalho tem trazido tamanhos desafios que o apoio psicológico a docentes e estudantes é apontado como prioridade. Para 18% dos profissionais, essa questão é a primeira destacada, à frente até mesmo do aumento dos salários.

Abertura de cortinas

A professora de educação infantil na cidade de São Paulo, pedagoga e psicopedagoga Juçara Vieira Pinheiro não acredita que a pandemia tenha piorado o cenário, mas trouxe à tona questões que há muito tempo afetam a rotina das escolas.

“A partir do momento em que as famílias tiveram de lidar mais de perto com as crianças e adolescentes, passaram a ver a educação, a escola e a sala de aula de outra forma. Puderam ter noção não apenas das nossas dificuldades estruturais, mas também de como é desafiador estabelecer questões como atenção, disciplina e compromisso, que fazem parte do nosso cotidiano”, avalia.

Segundo Juçara, a sobrecarga de trabalho ao desafio de tentar inovar e buscar outras formas de motivação para manter estudantes na escola ficou nítida para muitas famílias, assim como a precariedade da estrutura oferecida pelo Estado e contra a qual a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) tem historicamente lutado.

A professora destaca que muitas vezes atividades simples como apresentar um vídeo na sala de aula se torna impossível, seja por falta de cabeamento, de televisão ou de internet de qualidade.

Juçara não está sozinha. Conforme apontou um levantamento da Editora Moderna em julho de 2022, 29,54% dos professores e professoras identificam a falta de infraestrutura e de recursos como o maior desafio na rede pública.

Apagão na profissão

A realidade difícil da profissão tem trazido adoecimento aos professores e professoras. Pesquisa da Nova Escola e do Instituto Ame Sua Mente, de 2022, mostrou que 21,5% dos educadores e educadoras consideram a saúde mental ruim ou muito ruim. Uma situação que piorou em relação a 2021, quando o índice era de 13,7%.

A situação ganha contornos ainda piores com a sensação de medo, acrescida à realidade das escolas a partir de ataques e ameaças ocorridas nos últimos anos .

As dificuldades para quem comanda as salas de aula no Brasil ajudam a explicar a preocupante perspectiva de um apagão na educação. Estudo do Instituto Semesp indicou que o envelhecimento dos professores e professoras, cuja média de idade é acima dos 50 anos, subiu 109% entre 2009 e 2021. No mesmo período, houve a queda de 42,2% no número de docentes de até 24 anos em início de carreira. Caso essa tendência continue, o Brasil pode ter um déficit de 235 mil profissionais em todas as etapas da educação básica até 2040.

Para Juçara, além das questões estruturais e das condições de trabalho, há ainda um aspecto social de desrespeito que precisa ser discutido.

“Quando eu era pequena, ouvia que devíamos respeitar os professores como respeitamos nossos pais em casa. Isso foi se perdendo não só com o professor, mas com toda pessoa mais velha. Não temos mais cuidado com quem tem sabedoria ou habilidade para nos orientar. Estamos perdendo respeito com o outro. De seis, sete anos para cá, as discussões extremistas colocaram os professores no alvo e essa é uma das razões de estarmos adoecendo. A profissão está menos atrativa. A responsabilidade para reverter esse cenário é de toda a sociedade, desde o Estado, até as famílias e nós mesmos, que precisamos estar comprometidos com a responsabilidade sobre a formação das crianças e jovens”, analisa.

Fonte: CNTE – Foto: Marcello Casal Jr.